Todo mundo está muito euphorico!

“Não é fácil, muito menos agradável de assistir (…) Possui uma atração inegável, é intrigante e não dá para ignorar” (Variety, 2019)

Por Catarine Cavalcante Torres

“Euphoria não é para todos”, declarou Casey Bloys, presidente de programação da HBO. A afirmação se deu após o Conselho Parental de Televisão dos Estados Unidos fazer um pedido para que a recém estreada Euphoria fosse tirada do ar, sob acusação da emissora “estar publicamente, intencionalmente comercializando conteúdo adulto extremamente gráfico – sexo, violência, profanação e uso de drogas – aos adolescentes e pré-adolescentes”, mesmo sendo amplamente divulgado que o público visado pela série, bem como reafirma sua classificação indicativa, é a população maior de idade.

Após a polêmica de debute, a atriz Zendaya, que interpreta a protagonista Rue, divulgou uma mensagem atenciosa em suas redes sociais, ressaltando a que tipo de audiência se adequa o conteúdo e esclarecendo que só deveria assistir ao programa quem sentisse confortável para isso. 

View this post on Instagram

Please read

A post shared by Zendaya (@zendaya) on

“Apenas um lembrete antes da estréia de hoje à noite, Euphoria é para audiências maduras. É um retrato cru e honesto de dependência, ansiedade e dificuldades da seguir na vida atualmente. Há cenas tão explícitas , difíceis de assistir e que podem ser gatilhos. Por favor, assista apenas se achar que pode lidar com isso. Faça o que for melhor para você. Eu ainda vou te amar e sentir seu apoio.
Amor, Daya.”

É evidente que o resultado não agradou a todos, mas, como é de se esperar de uma produção da HBO, esse nunca foi o objetivo. Entretanto, é impossível negar a comoção em escala mundial provocada pela história. A beleza trazida em cada uma das cenas, o aspecto sombrio, a iluminação específica, a atenção dada aos contrastes trouxe à produção um visual inconfundível. Isso sem citar a maquiagem característica adotada pelo elenco, que se tornou o desejo da maioria, passou a ser imitada no mundo inteiro e ainda hoje rende matérias nas revistas de beleza. A maquiadora Doniella Davy defendeu que a maquiagem deveria contar uma história e que escolhia como seriam feitas de acordo com o que cada personagem estava sentindo no momento.

Os episódios iam ao ar no domingo à noite, depois permaneciam disponíveis na plataforma de streaming da emissora, HBO Go. O engajamento foi gigantesco e houve tantos comentários que, mesmo alguns dias depois da exibição de um novo episódio, a série ainda se encontrava nos trends topics do Twitter, por exemplo. No último capítulo da primeira temporada, a HBO (um canal por assinatura), deixou o sinal aberto para que todos pudessem assistir à série, o que, aliado ao on demand, possibilitou o batimento de um recorde de audiência

Uma série sobre jovens descobrindo a vida, que traz drogas, paixões, sofrimento e frustração não é nenhuma novidade no meio audiovisual, mas não dá para negar que a produção de Sam Levinson carrega algo de inovador. É necessário entender que Euphoria tem o peso da juventude, aquela que ainda se encontra recém-nascida, dos milleninals, da geração Z ou como preferir chamar. Essa é uma das primeiras vezes que eles recebem um produto que recria a sua realidade e foi produzido por tanta gente parecida com eles (a protagonista nasceu em 2001, por exemplo). É muito diferente de assistir algo produzido nos anos 1990 ou no início dos anos 2000, ainda que a temática seja a mesma. Talvez, seja o excesso de glitter esse diferencial que traz tanta identificação, quem sabe também pode ser a trilha sonora  recheada com Rosalía, J Balvin, BTS, Billie Elish e tantos outros que são tão familiares a esta geração e tão estranhos a todas as outras.

A linguagem escolhida para tratar do enorme drama que é estar no Ensino Médio foi certeira. Na vida real, ninguém usa aquelas maquiagens e a juventude, apesar de viver intensamente, não é com tanta intensidade assim, ninguém se veste usando meia-calça todo dia e a iluminação dos lugares não é sempre em tons de roxo. O visual exagerado, se não materializou o sentimento juvenil, pelo menos o deixou visível. O exagero é a língua do jovem, por isso deu tão certo. 

Trailer da série.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s